Login: Senha:
       
 
 
 
 
29/08/2014 - Programação de treinos para o período de 01 a 08 de setembro de 2014.  
 
Home Santa Cruz na mídia Impressos  
 
 
 
  Jornalista britânico apaixonado pelo Santa  
 
 
03/08/2011 | Por: Assessoria Santa Cruz
.
 
 
Vibração de James no meio da torcida tricolor
 

O jornalista britânico James Armour Young, correspondente do jornal britânico The Guardian, mantém um blog inteiramente sobre o Santa Cruz Futebol Clube. Morando no Recife desde 2005, James passou a admirar e escrever sobre a saga do Tricolor e sua fiel torcida no blog I See a Darkness.

A fama da torcida do Santa Cruz está transcendendo todos os limites. Sempre destacada em cenário nacional pelo apoio incondicional que oferece a equipe que disputa a quarta divisão do futebol nacional, a torcida tricolor ganhou destaque, nesta terça (03), no jornal britânico “The Guardian”. O periódico publicou artigo sobre a invão coral à João Pessoa, na estreia do time na Série D.

O responsável pela publicação foi o professor irlandês e torcedor do Santa Cruz, James Young. Ele reside há quatro anos no Recife e resolveu enviar para o jornal inglês o artigo que escreveu para o blog The Dirty Trackle, onde narrou a odisséia dos 16 mil tricolores rumo a João pessoa. James é um aficcionado pelo Santa e possui um blog em inglês, onde escreve sobre o clube.

Explicou que a escolha do Santa Cruz como clube para torcer no Brasil vem das suas preferências britânicas. Ele é torcedor do Manchester City, que é conhecido como o clube do povo de Mancheter. Revelou que seu primeiro destino no Brasil foi Belo Horizonte, onde morou por um ano e teve simpatia pelo Atlético/MG. Dessa forma, ao chegar no Recife disse que ao conhecer o Santa Cruz foi amor à primeira vista.

Abaixo o texto publicado no site do The Guardian e reproduzido no blog de James. Detalhe: a matéria em português saiu do tradutor da página do jornal britânico. Logo, dêem um desconto.

Por James Armour Young – Correspondente Brasileiro

ON 05 de setembro de 1976, o Corinthians jogou Fluminense na semi-final do Campeonato Brasileiro playoffs título.

Tipicamente para grandes jogos no Brasil, em seguida, e em menor grau, hoje, uma multidão gigantesca de 147 mil lotaram o Maracanã para ver isso.

Menos geralmente, mais de 70.000 no solo não eram partidários Fluminense, mas tinha viajado a 440 km de São Paulo para o Rio a rugir em sua equipe.

Gols de Pintinho para Fluminense e Ruço do Corinthians significou o jogo terminou 1-1, com o Corinthians vencendo nos pênaltis, eo corintiano Invasão entrou para o folclore do futebol brasileiro.

Peregrinações, tais não são comuns no futebol brasileiro. As distâncias são geralmente muito grande, os custos de viagem são altos, os chefes brasileiros não tão generoso com o tempo fora como os seus homólogos europeus.

Na Inglaterra, um longo dia de distância pode envolver uma viagem de 600 km rodada (digamos Newcastle para Londres).

No Brasil, uma viagem de distância pode facilmente atingir 3,5 mil quilômetros (Porto Alegre para Belo Horizonte, por exemplo), e isso é limitando as coisas para o sul e Sudeste base de poder do futebol.

Jogue no norte e nordeste e distância poderia ser o dobro disso.

Assim, o dia do corintiano Invasão são longos idos. Só que há duas semanas, no que para muitos em São Paulo e Rio é uma parte remota do império do futebol brasileiro, o relógio foi girado para trás 25 anos, embora em um nível ligeiramente reduzida.

Em um fim de semana, quando as chuvas e inundações no nordeste maltratadas do país, 16.000 pessoas fizeram a viagem de três horas de Recife para João Pessoa para assistir a Santa Cruz jogar Alecrim.

Foi quase uma unidade fácil – nove pessoas morreram em inundações e deslizamentos de terra em Recife esse fim de semana e 500 famílias ficaram desabrigadas em Goiana, cidade situada na rodovia BR mesma que conecta as capitais Pernambucano e Paraibano.

No caminho de volta a auto-estrada foi fechada inteiramente devido a inundações ea maioria das pessoas foram forçados a passar a noite em João Pessoa (o seu gravador incluído) ou fazer um desvio para casa 400 quilômetros através do interior.

Pontapé entraram em confronto com o trimestre final da Copa América entre Brasil v Paraguai, no entanto, que dificilmente terá registado com fãs Santa.

O jogo não foi uma final ou semi finais, nem um jogo da liga importante na Serie A ou B, mas foi no jogo de abertura fato de Santa na Série D.

Num momento em que multidões no Brasil são uma preocupação real – o Serie A média é de cerca de 12.000 – Santa Cruz de Recife está escrevendo um pequeno, provavelmente obscura pouco, da história.

No ano passado, novamente na Série D, Santa teve a maior média de público no país – quase 35 mil.

Este ano o clube possuem os quatro maiores multidões no Brasil – 60 mil para o Campeonato Pernambucano final contra o Sport, 46.000 para a Copa Do Brasil jogo contra o São Paulo, contra 45.000 do Desporto na fase da liga do Pernambucanoe fim de semana passado, na Série Papai Noel abridor de casa D, quase 43 mil contra o Guarani.

Este último nome é o maior público até agora este ano, em qualquer jogo de Brasileirão, seja na Serie A, B, C ou D.

É um feito notável, sem paralelo em qualquer lugar do país. Santa conseguiram fazer o que nenhum outro clube brasileiro tem feito um bom tempo, que é transformar seus jogos em casa em ‘must see’ eventos.

Ficar em casa é perder, e saber que o jogo, e mais importante da multidão, será um tema de conversa no refrigerador da água e nos jornais e na televisão.

Para ir é para ser parte da história e ver a flor admiração em todo o rosto das pessoas (inveja se é um apoiante do rival Nautico e Sport) quando você diz que eu estava lá.

Enquanto Papai Noel sempre foi capaz de chamar do apoio popular maciço (o clube está na hora do povo do Recife, ou “equipa do povo”), a história realmente começou com a deslizar para baixo as divisões.

Santa jogou na Serie Aem 2005, mas depois de ir para baixo no final da temporada sofreu dois rebaixamentos consecutivos mais, incluindo, em 2008, uma queda dramática na recém-criada Série D, onde permaneceram durante os últimos três anos.

Como às vezes é o caminho, a pior a sorte da equipe, maior a multidão (torcedores do Manchester City vai se referem).

O jogo final do ano passado, Serie D, contra outro Guarany, desta vez de Sobral, atraiu 56 mil para Arruda. Fiel à forma, Santa foram eliminados na perna de distância uma semana depois.

Na verdade fortunas poucas equipes “ter chegado tão mau como Papai Noel. Alguns jogadores decentes têm desempenhado no Arruda nos últimos anos poucos – Carlinhos Paraíba é hoje um dínamo em São Paulo no meio-campo, eo jovem atacante Gilberto, Léo e seu cúmplice meio-campo, recentemente mudou-se para Internacional e Botafogo, respectivamente.

Em 2010, o atacante Brasão brevemente se tornou um ídolo com seu estilo gangbusters. Ele está agora no Vitória de Setúbal em Portugal.

O resto, em geral, têm sido escória, e as coisas têm sido agravada por uma sucessão de míope gestores e conselhos de administração mais sombrias do que um beco escuro Recife em uma noite nublada.Ninguém nunca realmente parece ser capaz de explicar exatamente onde o dinheiro do portão recibos desaparece para.

As coisas mudaram em 2011. Com um gerente canny em Zé Teodoro e uma agradável mistura de veteranos e jornaleiros – zagueiro Leandro Sousa, ótimo goleiro Thiago Cardoso, watchdog volante Jeovanio, elegante meio-campista Wesley – e jovens emocionante – o Gilberto mencionadas, Renatinho, Memo, Natan e Everton Sena – Santa ganhou o campeonato estadual de Pernambuco, pela primeira vez em seis anos.

As coisas começaram razoavelmente bem na Série D também, com uma vitória contra o Alecrim, seguido por um empate em casa contra o Guarany levemente frustrante no domingo.

Mas as multidões continuam a ser a história. Um minúsculo asterisco provavelmente deve ser colocado junto com as estatísticas – as fontes do governo do estado de Pernambuco cerca de 10.000 passes livre um jogo para carentes do Recife através do Todos Com um programa de Nota, onde partidários trocar os recibos de compras de bilhetes.

Mas dizer isto desvaloriza os números está faltando o ponto. Estas são pessoas que iriam para os jogos, e comprar bilhetes, se tivessem os meios.Que eles são pobres demais para pagar bilhetes dificilmente deveria ser realizada contra eles.

Talvez demasiado de Santa estão se beneficiando da cultura acidente de carro – situação do clube é tão ruim que leva as pessoas para o estádio quase como um ato de desafio.

Se Santa foram debatendo e sem sentido na parte inferior da Serie A mesma o pode não ser verdade (embora multidões realizou-se bem da última vez na Serie A, apesar lutas da equipe). Os brasileiros não gostam de assistir a perder de futebol.

Independentemente das razões, coincidir com dia no Arruda continua a ser uma coisa maravilhosa – a bacia grande de concreto começa a preencher uma ou duas horas antes do apito inicial, e quando torcida do Santa Organizada, o Coral Inferno, entrar e os tambores começam a testar a atmosfera realmente pega para cima.

E assim, com o Maracanã eo Mineirão e Fonte Nova fechado para a reconstrução, e Inter e Grêmio aparentemente definido para ‘intermediário’ anos, pode ser que o melhor lugar para assistir ao futebol no Brasil este ano será na Serie D.

Relatórios James Armour jovens de Recife, Brasil, onde viveu durante os últimos seis anos.

Fontes: Blog de Primeira e Goleada PE

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
  Twitter